Arquivo da categoria: Anjos

>Os Anjos

>

Na sua longa história, a Igreja jamais colocou em dúvida a existência dos anjos por se tratar de uma verdade revelada pela Sagrada Escritura. Para o católico, é um dogma de fé, definido pelo IV Concílio de Latrão (1215), recordado pelo Concílio Vaticano II e expresso no Catecismo da Igreja Católica, que diz: “A existência dos seres espirituais, não corporais, que a Sagrada Escritura chama habitualmente de anjos, é uma verdade de fé. O testemunho da Escritura a respeito é tão claro quanto a unanimidade da Tradição” (CIC §328). “Ainda aqui na terra, a vida cristã participa na fé da sociedade bem-aventurada dos anjos e dos homens, unidos em Deus” (CIC §336).

Os anjos são criaturas puramente espirituais, dotadas de inteligência e de vontade; são criaturas pessoais e imortais. “Eles jamais poderão morrer, porque são iguais aos anjos e são filhos de Deus, porque são ressuscitados” (Lc 20, 36). Eles superam em perfeição a todas as criaturas visíveis, como dá testemunho o fulgor de sua glória: “Seu corpo era como o crisólito; seu rosto brilhava como o relâmpago, seus olhos, como tochas ardentes, seus braços e pés tinham o aspecto do bronze polido e sua voz ressoava como o rumor de uma multidão” (Dn 10, 6).

É importante não perder de vista que os anjos são seres espirituais criados por Deus: “Nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as criaturas visíveis e invisíveis. Tronos, dominações, principados, potestades: tudo foi criado por Ele e para Ele” (Cl 1, 16).

No céu, realizam a missão de adorar, louvar e servir a Deus: “E todos os Anjos estavam ao redor do trono, dos Anciãos, e dos quatro Animais, prostravam-se de face em terra diante do trono e adoravam a Deus, dizendo: Amém, louvor, glória, sabedoria, ação de graças, honra, poder e força ao nosso Deus pelos séculos dos séculos. Amém” (Ap 7, 11-12).

A palavra anjo – do latim “angelus” – significa mensageiro. Deste modo, os anjos são espíritos enviados por Deus para realizar uma obra em favor dos homens: “Não são anjos espíritos ao serviço de Deus, que lhes confia missões para o bem daqueles que devem herdar a salvação?” (Hb 1, 14). Entre as suas obras principais, destacam-se:

· Comunicar mensagens do Senhor. Um dos melhores exemplos é a visita do anjo Gabriel à Nossa Senhora. (cf. Lc 1, 26)

· Auxiliar diante do sofrimento e perigo. Ao navegar para Roma, Paulo foi salvo de um naufrágio. Ao explicar esse milagre, disse: “Esta noite apareceu-me um anjo de Deus, a quem pertenço e a quem sirvo, o qual me disse: Não temas, Paulo. É necessário que compareças diante de César. Deus deu-te todos os que navegam contigo” (At 27, 23-24).

· Dar proteção: “porque aos seus anjos mandou que te guardem em todos os teus caminhos” (Sl 90, 11)

· Realizar a justiça de Deus, trazendo a recompensa ou o castigo: Na destruição de Sodoma e Gomorra, dois anjos foram enviados para informar essa sentença a Abraão e Lot (cf Gn 19, 1ss).

· Apresentar ao Senhor as preces dos justos. O arcanjo Rafael diz a Tobit: “Quando tu oravas com lágrimas e enterravas os mortos, quando deixavas a tua refeição e ias ocultar os mortos em tua casa durante o dia, para sepultá-los quando viesse a noite, eu apresentava as tuas orações ao Senhor” (Tb 12, 12).

A Igreja nos ensina que desde a infância até a morte os anjos nos guardam, protegem e intercedem por nós (Mt 18, 10; Lc 16, 22; Sl 34, 8; 90,10-13). Jesus disse: “Em verdade eu vos digo, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, não entrareis no reino dos céus. Quem se faz pequeno como esta criança, esse é o maior no reino dos céus. E quem recebe em meu nome uma criança como esta, é a mim que recebe. Não desprezeis nenhum desses pequeninos, pois eu vos digo que os seus anjos no céus vêem sem cessar a face do meu Pai que está nos céus.” (Mt 18, 1-10).

“Santo anjo do Senhor, meu zeloso guardador

Se a ti me confiou a piedade divina
sempre me rege, me guarde,
me governe e ilumine. Amém”

>Hierarquia dos Anjos

>

Seguindo o critério tradicional, são nove os Coros ou Ordens Angélicas, distribuídas em três Hierarquias.

A Primeira Hierarquia é formada pelos Santos Anjos que estão em íntimo contato com o Criador. Dedicam-se a amar, adorar e glorificar a Deus numa constante e permanente frequência, em grau bem mais elevado que os outros Coros: Serafins, Querubins e Tronos.

SERAFINS: O nome “seraph” deriva do hebreu e significa “queimar completamente”. Segundo o conceito hebraico, o Serafim não é apenas um ser que “queima”, mas “que se consome” no amor ao Sumo Bem, que é o nosso Deus Altíssimo. Na Sagrada Escritura os Santos Anjos Serafins aparecem somente uma única vez, na visão de Isaias: (Is 6, 1-2)

QUERUBINS: São considerados guardas e mensageiros dos Mistérios Divinos, com a missão especial de transmitir Sabedoria. No início da criação, foram colocados pelo Criador para guardar o caminho da Árvore da Vida.(Gn 3, 24) Na Sagrada Escritura o nome dos Santos Anjos Querubins é o mais citado, aparecendo cerca de 80 vezes nos diversos livros. São também os Querubins os seres misteriosos que Ezequiel descreve na visão que teve, no momento de sua vocação: (Ez 10, 12) Quando Moisés recebeu as prescrições para a construção da Arca da Aliança, onde o Senhor habitou, o trono Divino foi colocado entre dois Querubins: (Ex 25,8-9.18-19) Estas considerações atestam que os Querubins são conhecedores dos Mistérios Divinos.

TRONOS: Acolhem em si a Grandeza do Criador e a transmitem aos Santos Anjos de graus inferiores. São chamados “Sedes Dei” (Sede de Deus). Em síntese, os Tronos são aqueles Santos Anjos que apresentam aos Coros inferiores, o esplendor da Divina Onipotência.

A Segunda Hierarquia são os Santos Anjos que dirigem os Planos da Eterna Sabedoria, comunicando aqueles projetos aos Anjos da Terceira Hierarquia, que vigiam o comportamento da humanidade. Eles são responsáveis pelos acontecimentos no Universo. Esta Hierarquia é formada pelos seguintes Coros de Anjos: Dominações, Potestades e Virtudes.

DOMINAÇÕES: São aqueles da alta nobreza celeste. Para caracterizá-los com ênfase, São Gregório escreveu: “Algumas fileiras do exército angélico chamam-se Dominações, porque os restantes lhe são submissos, ou seja, lhe são obedientes”. São enviados por Deus a missões mais relevantes e também, são incluídos entre os Santos Anjos que exercem a “função de Ministro de Deus”.

POTESTADES: É o Coro Angélico formado pelos Santos Anjos que transmitem aquilo que deve ser feito, cuidando de modo especial da “forma” ou “maneira” como devem ser feitas as coisas. Também são os Condutores da ordem sagrada. Pelo fato de transmitirem o poder que recebem de Deus, são espíritos de alta concentração, alcançando um grau elevado de contemplação ao Criador.

VIRTUDES: As atribuições dos Santos Anjos deste Coro são semelhantes aquelas dos Santos Anjos do Coro Potestades, porque também eles transmitem aquilo que deve ser feito pelos outros Anjos, mas, sobretudo, auxiliam no sentido de que as coisas sejam realizadas de modo perfeito. Assim, eles também têm a missão de remover os obstáculos que querem interferir no perfeito cumprimento das ordens do Criador. São considerados Anjos fortes e viris. Quem sofre de fraquezas físicas ou espirituais, deve invocar por meio de orações, o auxílio e a proteção de um Santo Anjo do Coro das Virtudes.

A Terceira Hierarquia é formada pelos Santos Anjos que executam as ordens do Altíssimo. Eles estão mais próximos de nós e conhecem a fundo a natureza de cada pessoa que devem assistir, a fim de poderem cumprir com exatidão a Vontade Divina: insinuando, avisando ou castigando, conforme o caso. Esta Hierarquia é formada pelos: Principados, Arcanjos e Anjos.

PRINCIPADOS: Os Santos Anjos deste Coro são guias dos mensageiros Divinos. Não são enviados a missões modestas, ao contrário, são enviados a príncipes, reis, províncias, Dioceses, de conformidade com o honroso título de seu Coro. No livro de Daniel são também apresentados como protetores de povos: (Dn 10,13) Significa dizer, que são aqueles Anjos que levam as instruções e os avisos Divinos, ao conhecimento dos povos que lhe são confiados. Porém, quando esses mesmos povos recusam aceitar as mensagens do Senhor, os Principados transformam-se em Anjos Vingadores, e derramam as taças da ira Divina sobre eles, de forma a reconduzi-los através do castigo e da dor, de volta ao Deus de Amor e Misericórdia que eles abandonaram propositalmente.

ARCANJOS: A ordem tradicional dos Coros Angélicos coloca os “Arcanjos” entre os “Principados” e os “Anjos”. Pelas funções que desempenha, acreditamos que ele deve estar colocado no mais alto Coro dos Santos Anjos. A Igreja conhece o nome de três Arcanjos.

O primeiro é o Arcanjo Miguel (cf. Dn 10, 13-20; Jd 9; Ap 12, 7), cujo nome significa “Quem como Deus”. Sua missão é lutar contra as forças do mal: “Houve uma batalha no céu. Miguel e seus anjos tiveram de combater o Dragão. O Dragão e seus anjos travaram combate. Mas não prevaleceram. E já não houve lugar no céu para eles” (Ap 12, 7-8).

O segundo é o Arcanjo Gabriel, cujo nome significa “Deus é forte”, foi o encarregado de anunciar o Messias. Apareceu a Daniel (cf Dn 10, 13; 12, 1), Zacarias (cf Lc 1, 19) e Maria (Lc 1, 26).

O terceiro é o Arcanjo Rafael, cujo nome significa “Deus Cura”. Ele se faz conhecer por meio da história de Tobias: “Eu sou o anjo Rafael, um dos sete que assistimos na presença do Senhor” (Tb 12, 15). É invocado contra as doenças físicas, em problemas familiares, questões financeiras e viagens.

ANJOS: Os Santos Anjos recebem as ordens dos Coros superiores e as executam. Outro aspecto que não pode ser esquecido é o fato de que os Santos Anjos, guardadas as devidas proporções, estão mais perto da humanidade e por assim dizer, convivendo conosco e prestando um serviço silencioso, mas, de valor incomensurável à cada pessoa. O Criador inspirou o escritor sagrado no Livro Êxodo, da Bíblia Sagrada: “Eis que envio um Anjo diante de ti, para que te guarde pelo caminho e te conduza ao lugar que tenho preparado para ti. Respeita a sua presença e observa a sua voz, e não lhe sejas rebelde, porque não perdoará a vossa transgressão, pois nele está o Meu Nome. Mas se escutares fielmente a sua voz e fizeres o que te disser, então serei inimigo dos teus inimigos e adversário dos teus adversários”. (Ex 23, 20-22).