Arquivo da categoria: SOS Haiti

>Campanha SOS Haiti – Cáritas e CNBB

>


Solidariedade ao povo do Haiti”
Esperando contra toda esperança” (Rm 4,18)

Em meio às notícias desalentadoras que chegam a cada momento, dando conta das trágicas conseqüências do terremoto que afligiu o Haiti, ceifando tantas vidas e colocando abaixo sonhos e trabalhos, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) se une à multidão de homens e Mulheres que, nestas circunstâncias, tem “uma ousadia de quem se atreve a esperar contra toda esperança”, para apresentar à Igreja e a todo povo do Haiti a solidariedade em orações, palavras e gestos.

Neste momento, são necessárias iniciativas que demonstrem solidariedade internacional, como, por exemplo, o perdão imediato de toda uma dívida externa do Haiti, que corresponde a 30% do seu pobre orçamento, e ações humanitarias que amenizem a dor e reanimem a esperança do povo haitiano.

Movida por este sentimento de solidariedade, a CNBB e a Cáritas Brasileira lançam a Campanha SOS HAITI, em socorro à população atingida pelo terremoto.

Conclamamos todas as comunidades eclesiais, paróquias e dioceses a promoverem, no próximo domingo, dia 17, ou no dia 24 de janeiro, ou em outra data conveniente, orações e coletas em dinheiro para as vítimas do terremoto no Haiti. Assim, nos unimos à campanha mundial promovida pela Caritas Internationalis em resposta ao apelo do papa Bento XVI.

As doações poderão ser depositadas nas contas:

Banco do Brasil – Agência: 3475-4 – Conta Corrente: 23.969-0; Caixa Econômica Federal – OP: 003 – Agência: 1041 – Conta Corrente: 1132-1; Banco Bradesco – Agência: 0606 – Conta Corrente: 70.000-2.

Que a graça de Deus fortaleça nosso compromisso de caridade fraterna, inspire nossa generosidade e anime quem está a serviço das vítimas no Haiti.

Brasília, 15 de janeiro de 2010

D. Geraldo Lyrio Rocha – Arcebispo de Mariana
Presidente da CNBB

D. Demétrio Valentim – Bispo de Jales
Presidente da Cáritas Brasileira

>Porto Princípie… O que restou?

>



“Por que é que Deus nega uma saída
ao homem que já não vê sentido para o seu caminho?
Em vez de comida, só me aparecem lágrimas;
servem-me gemidos em vez de água para beber.
Aquilo que eu tanto temia caiu sobre mim,
o que me aterrorizava aconteceu-me.
Não tenho sossego nem repouso;
vivo sem descanso, entre sobressaltos.

Caiu sobre mim o terror,
todo o meu corpo se transiu de medo.
O vento bateu no meu rosto
e todos os meus cabelos se puseram em pé.
Estava na minha frente, mas não o reconheci;
era como uma imagem diante de mim, em silêncio.

Grita, para ver se alguém te responde!
Para qual dos santos te vais voltar?
Pois a injustiça não nasce da terra
nem a miséria brota do chão.
É do próprio homem que nasce a miséria,
como centelhas a saltar do fogo e voando pelo ar.

Se fosse eu, voltava-me para Deus
e contava-lhe as minhas preocupações.
Ele faz maravilhas insondáveis
e prodígios que não têm conta.
Dá a chuva à terra,
manda a água para regar os campos;
faz levantar os humildes
e dá segurança aos aflitos…”

(Livro de Jó 3, 23 – 26; 4, 14 – 16; 5, 1 e 6-11)




O texto parece descrever o que vemos estampado na mídia:

Tragédias e mais tragédias, mortos e mais mortos…
O homem que brinca de Deus reconhece a força da natureza
Pena que tarde demais…
Cidades inteiras destruídas,
milhares de corpos espalhados pelas ruas…
Homens e mulheres, ricos e pobres,
negros, brancos, crianças ou adultos…
todos num mesmo patamar de medo, de tristeza.
Olhares perdidos no horizonte… Para onde ir? Nada restou
Tudo são ruínas… Por onde recomeçar? Quem restou?
No meio de tanta dor e aflição, o que ficou foi a Fé!




Fé: “Firme fundamento das coisas que se esperam

e prova das coisas que não se vêem.” (Hb 11, 1)